Páginas

2012-06-18

Ordenando árvores (uma mensagem em tons de laranja e verde como este blogue)

Na mensagem que aqui deixei ontem, intitulada Chegou o Momento de Agir - Uma Declaração Budista sobre as Alterações Climáticas, está uma foto de uma das mais belas e criativas formas de proteger a natureza: a Ordenação de Árvores. Tanto quanto sei, a ideia começou na Tailândia, onde a escola budista Theravada tem um forte representação e é conhecida pela Tradição da Floresta. Frequentemente refere-se a alienação da tradição budista dos problemas mundanos e como aqueles que se empenham, seriamente, na prática da meditação se afastam do mundo. Se isso foi verdade em tempos, é também sabido que os estudantes e praticantes do Dharma do Buddha estão cada vez mais ativos nos diversos contextos sociais em todo o mundo, sobretudo no que diz respeito à defesa e preservação dos espaços naturais e no reconhecimento e divulgação da ideia de incompletude do humano que se alienou das suas raízes: a Natureza.


A ordenação de árvores e a consagração de espaços naturais como é o caso do projeto Green Bodhgaya, que abordei numa mensagem com o mesmo nome no dia 26 de maio, são disso um exemplo. Caroline Kornfield, num artigo do Outono de 2007 do Peace Power: The Berkeley’s Journal of Nonviolence & Conflict Transformation, refere que "os monges pretendem preservar a terra não apenas devido a razões religiosas, mas também devido a preocupações com o bem-estar espiritual daqueles que nelas vivem e para melhorar a qualidade de vida dos individuos no seio das suas comunidades".
Uma das grandes mais valias deste projeto é que os monges envolvidos são membros da comunidade local podendo, por isso, podem conceber e implementar projetos informados nas histórias e contextos da sua região e — ao contrário de muitos dos governos dos diversos países onde surgiu esta iniciativa que apenas estão preocupados com o crescimento económico do país e dos mercados — estão emepnhados com a prosperidade e o bem-estar nas pequenas aldeias porque, como nos ensinou o Buddha, a saúde e bem-estar global começa no estabelecimento da saúde e bem-estar dos seus constituintes que só pode ser conseguido através da preocupação com o Outro.
O movimento tem-se vindo a espalhar um pouco por toda a Ásia e deu origem ao Independent Development Monks’ Movement que, desde os anos 80 (do século XX), tem vindo a desenvolver esforços para contrariar os efeitos negativos do consumismo e a progressiva substituição da agricultura de subsistência pela agricultura de mercado que deixa os agriculores à mercê dos caprichos dos mercados internacionais. Outro movimento relacionado é o Foundation for Education and Development of Rural Areas que tem demonstrado um importância primordial no estabelecimento e educação de comunidades rurais sustentáveis.
Talvez possamos aprender a viver em maior harmonia com estas iniciativas.

Créditos
Fotos (na ordem em que surgem na mensagem):

  1. Ordained tree, por Sarinee Achavanuntakul
  2. Monks' Community Forest, Cambodia, por ARC - The Alliance of Religions and Conservation
  3. Monks' Community Forest, Cambodia, por ARC - The Alliance of Religions and Conservation
  4. Trees worth Saving, por Sara
Todas as fotos foram retiradas do Flickr.

Enviar um comentário