Páginas

2012-08-27

Free Julian Assange

Petição: Free Julian Assange (clique para assinar)


O nome Julian Assange tem dado que falar nos meios de comunicação social. O fundador do site wikileaks está no centro do conflito diplomático que surgiu entre o Reino Unido e o Equador. O Reino Unido ficou com a batata quente quente nas mãos, perante as declarações dos governos do Equador e da Argentina e, em particular, da UNASUR — União da Nações Sul-Americanas, cujo depoimento pode ser consultado aqui.
Não defendo que Assange seja um ícone da compaixão e compreendo que algumas das coisas que se dizem sobre o seu carácter irascível e sobre as decisões polémicas que tomou sejam verdadeiras e façam alguns vacilarem perante a sua defesa. Contudo, de uma coisa estou certo, não quero ver Assange em Guantánamo porque além de ser uma violação dos direitos humanos é um marcar de pontos a favor dos corruptos que pretendem tomar o mundo de assalto. Além disso, estou convicto que o balanço das suas ações na delação dos interesses ocultos das associações vergonhosas entre corporaçãoes e governos, da forma suja como desrespeitam a democracia, as pessoas e o mundo natural, é muito positivo; sobretudo se comparado com a ação de muitos líderes e chefes de governo entre os quais nomeio (ainda que seja uma lista muito limitada) Nicolas Sarkozy, Angela Merkel e Passos Coelho. Veria com melhores olhos estas figuras acusadas por crimes contra a humanidade de corrupção e terrorismo económico e social. Os dois primeiros destruíram a Grécia e o terceiro é cúmplice ativo na destruição do Estado (social e não só) Português.

A razão porque Assange é perseguido e procurado, pelos Estados Unidos da América, é a acusação de terrorismo, consequência  das sobejamente conhecidas divulgações no wikileaks (ver vídeo) de esquemas corruptos que envolvem os EUA enquanto país e as conhecidas agências de espionagem como a CIA. Por isso, oponho-me a que o Reino Unido a Suécia ou qualquer outro Estado Europeu participe em esquemas e conspirações estadounidenses que visam fazer de Assange um preso político e um falso terrorista. Toda esta situação é um claro indício da decadência das democracias europeias e não deixa de ser lamentável que os mais de 400 anos de democracia inglesa sejam postos em causa para alimentar os interesses de uma elite mundial corrupta e sem escrúpulos.
Deportar Assange para os Estados Unidos é alimentar o demónio que causa crise financeiras na Europa, guerras no médio oriente e que pactua com os mais vis fazendo tudo o que está ao seu alcance para manter o capitalismo predatório, a quem nem as pessoas escapam, como sistema económico imposto a todos (humanos) e a tudo (porque animais e natureza sofrem as consequências das ações humanas).
De forma muito sintética estas são as razões que me levaram a assinar a petição Free Julian Assange dirigida a Nicolas Bratza, presidente do Tribunal europeu para os Direitos Humanos. Pelas mesmas razões convido todos os leitores deste blogue a assinarem e divulgarem a petição. Assinar a petição é mais que pedir a libertação de Assange, é assumir uma posição em defesa da democracia, dos direitos humanos e da transparência e independência que os meios de comunicação institucionais (portugueses incluídos) parecem ter dificuldades em garantir.

O TEDvideo abaixo mostra uma entrevista a Julian Assange conduzida por Chris Anderson.


Créditos

Enviar um comentário